ColunistasRuralSão Gabriel

Um cadáver providencial para os socialistas

Um importante historiador europeu chamado Emmanuel Fureix, publicou em meados de 2014 uma obra infelizmente ainda sem tradução em português: “La France des larmes: deuils politiques à l’âge romantique, 1814-1840” (algo como “Lágrimas da França: Tristezas Políticas na era romântica, 1814-1840”, em que analisa o fenômeno da transformação dos funerais de opositores à monarquia em verdadeiros atos políticos, por motivação principalmente dos jacobinos, a militância de esquerda da época, a tal ponto que nasceu naqueles dias a expressão “funerais de oposição”. Portanto, o uso da comoção popular gerada pelo luto para fins políticos é uma praga que tem história, e que vem de longe.
O Brasil de 2018 está assistindo a uma retomada dos “funerais de oposição” dos jacobinos franceses. A comoção gerada pelo covarde assassinato da vereadora Mariélle Franco no Rio de Janeiro, vítima evidente de descontentes com a intervenção federal na segurança pública do Estado, agora serve de alimento às causas de uma esquerda que andava acuada e agressiva, às voltas com a possibilidade de prisão iminente de seu líder mais influente. O motorista Anderson Gomes, que fazia um “bico” pra sustentar a família, mal é lembrado nos noticiários. Somente a nobreza da esquerda merece destaque. Negra, favelada, bissexual e dona de um salário de R$ 17 mil. Nenhuma palavra sobre os negros que morreram vestindo a farda da Polícia Militar ou do Exército nas operações de ocupação. A coisa em si é tão bizarra, que nas mobilizações em homenagem à vereadora, o coro mais ouvido, ao lado de “Fora Temer” (só falta acusarem-no de mandante do crime), é o lema “Não acabou, tem que acabar, eu quero o fim da Polícia Militar”. Note-se, a vereadora não criticava o narcotráfico. Não criticava nem mesmo as milícias, bandos de criminosos que muitas vezes são policiais ou ex-policiais. A sua luta política era contra a corporação instituída para defender o povo do seu Estado.
De tempos em tempos, a esquerda precisa usar os mortos para manipular os sentimentos dos vivos. Foi assim quando usaram Chico Mendes e a freira Dorothy Stang, contumazes defensores de invasões de terras e agressões a fazendeiros, com cujas mortes constrangeram o país todo diante do mundo. Marina Silva, a ambientalista dúbia, ganhou sua primeira eleição como “viúva” política de Chico Mendes. Depois, tentou ser a “viúva” de Eduardo Campos, mas não foi muito longe. Agora, ao cadáver de Martielle juntam-se vários viúvos: Lula, Marcelo Freixo, Guilherme Boulos, todos muito certos que o sangue de Martielle irá render dividendos para suas trincheiras contra a ordem institucional do país.
A esquerda se alimenta do sangue. E do sangue dos seus.

Tarso Francisco Pires Teixeira
Presidente do Sindicato Rural de São Gabriel
Vice Presidente do Sistema FARSUL

Deixe uma resposta

Veja Também

Fechar
Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios