ColunistasPolícia

Empreitada, São Tomé, Aniversário, Amigos do Rei, K Gança e 24 horas

 

 

 

EMPREITADA – Nem bem teve início os trabalhos da empresa contratada pelo executivo, a fim de acabar com a buraqueira das ruas de Caçapava do Sul e já tem eleitor querendo saber em que “frente” os vereadores de oposição irão atacar.

SÃO TOMÉ – Assim como no caso do calçamento de Caçapava do Sul, o conserto da Avenida Lima e Silva também deu um pulo, após a interferência do Legislativo. O próprio vice-prefeito, Luiz Guglielmin, quando ocupava o cargo, fez questão de dialogar com o os vereadores na busca de uma solução, pois o período eleitoral se aproximava e os recursos estavam prestes a evaporar. Ainda assim, tem muito “São Tomé” que só acredita, vendo a Lima e Silva novamente pavimentada.

ANIVERSÁRIO – Sobre o calçamento, Paulo Pereira – PDT parabenizou o Executivo pela iniciativa de contratar empresa para calçamento. Marquinho Vivian – MDB – não aguentou e disse que o Executivo não tem nada que ser parabenizado, pois faz um ano e meio que a situação está desse jeito.

AMIGOS DO REI – O vereador Silvio Beleza Tolfo – PP – autor da contagem dos buracos das ruas da Capital Farroupilha, disse em plenário que o Executivo concluiu obras para uns e não para outros, sugerindo que o governo é bastante seletivo na hora de atender as demandas dos vereadores, bem como de alguns empresários que buscam ajuda do executivo. Mariano Teixeira – PP – perguntou: será que eles tiveram os pedidos atendidos por que eram amigos do rei?

K GANÇA – Depois da última sessão, o vereador Ricardo Rosso já pode ter achado a saída para uma nova ação dos edis: a cachorrada solta nas ruas. O tema é bastante polêmico e controverso. De um lado estão os defensores da causa animal, com todas as suas razões e direitos amparados em legislação que “garante” o bem estar animal. Por outro lado, estão os direitos do cidadão, que sofre ataque de cães soltos ou tem a sola do sapato ampliada por uma camada de fezes espalhada pelas calçadas.

24 HORAS – O atendimento 24 horas nas farmácias de Caçapava do Sul, tem gerado um certo atrito entre os empresários do setor. Por um lado, há necessidade de se atender a demanda da população. Por outro lado o custo da manutenção das farmácias, durante o horário extra, é bastante alto. Na intenção de regulamentar o serviço, entraram na discussão os poderes Executivo e Legislativo. A próxima semana deve ser decisiva para normatização.

Deixe uma resposta

Fechar