SAÚDE - 27/07/2016 - 15:46:53 (584 cliques)
“A cura é uma realidade”, afirma especialista em hepatite C
Na semana em que se comemora o Dia Mundial das Hepatites Virais (28 de julho), balanço do 1º ano de tratamento gratuito confirma chance de cura superior a 90%; diagnóstico precoce segue como priori

Um ano após os novos tratamentos para a hepatite C serem incorporados pelo SUS, os primeiros resultados começam a ser constatados na prática. Há 12 meses, especialistas projetavam que com a entrada das novas drogas, a chance de cura da doença, para vários públicos, aumentaria para 90%.  “É possível notar que as combinações atuais de tratamento livre de interferon, disponíveis gratuitamente no SUS, alcançam chance de cura superior a 90%, inclusive entre os pacientes cirróticos, que podem ser tratados, curados e, consequentemente, dispensados da fila do transplante”, explica o hepatologista Mário Pessoa, da Sociedade Brasileira de Hepatologia (SBH).

 

Entretanto, com um tratamento eficaz disponível, encontrar os pacientes segue como um dos principais desafios. “Por ser uma doença assintomática, as pessoas, principalmente acima dos 40 anos, precisam fazer o teste da hepatite C, pois só assim conseguiremos detectar e tratar um número maior de pacientes”, alerta o hepatologista.

 

A hepatite C em números

 

- Pode levar 30 anos para se manifestar

- Mais em pessoas acima dos 40 anos

- Cerca de 2 milhões de infectados

25% sabem que têm a doença

- 25% têm acesso ao tratamento

 

Fonte: Ministério da Saúde

 

A hepatite C é uma doença contagiosa causada pelo vírus C (VHC). A transmissão ocorre, dentre outras formas, por meio de transfusão de sangue, compartilhamento ou uso de materiais contaminados como seringas, objetos de higiene pessoal (lâminas de barbear e depilar), alicates de unha, além de outros materiais perfurocortantes usados na confecção de tatuagens e colocação de piercings. O vírus também pode ser transmitido pela via sexual e vertical (de mãe para filho). Estimativas apontam que cerca de 3% da população mundial possa ter sido exposta ao vírus e desenvolvido infecção crônica, o que corresponde a 185 milhões de pessoas.

 

Na maioria das vezes a doença é assintomática, mas em alguns casos surgem sintomas como vômitos, náuseas e mal-estar. A prevalência é a mesma entre homens e mulheres, sendo que em pessoas com mais idade a progressão pode ser mais rápida. A ingestão de bebidas alcoólicas também pode acelerar a progressão da hepatite C. O teste para detecção da doença é fácil, rápido, gratuito e está amplamente disponível na rede pública.

Fonte: Tino Agência de Comunicação
© CaçapavaOnline.net 2014 - Todos os direitos reservados.